quinta-feira, 12 de julho de 2012

A rígida flor

Era tão estranho aquele novo gostar, e logo eu que me via como a rígida flor incapaz de novamente amar. 
O amor para mim era como a pedra no caminho de Drummond, como a estrela que longe se tornava inalcançável, não pelos outros, mas por mim mesma, que não me dava uma chance de novamente ser feliz, que achava que o amor só acontecia uma vez. E logo eu, menina moça, já pensava ter perdido todas as esperanças amorosas por causa de uma linda história de amor com um triste fim.
Tentei novamente amar, mas, mesmo sendo o varão dos sonhos de toda mulher, preenchendo todas aquelas exigências que uma dama procura, o amor não me veio, o fogo intenso que eu sentira uma vez não se manifestou. 
Já havia desistido. Conformei-me com a ausência desse que, tão aclamado, não batia mais à minha porta e, impressionantemente, reinava por todos os lugares que eu passava, em um verdadeiro "love is in the air"...
By Aline

4 comentários:

  1. cada vez mais feliz com suas linhas, versos e poesias!

    Continue! Continue!

    Bjos e Sucesso

    ResponderExcluir
  2. Ah, minha flor, obrigada.
    ;) Beijos!

    ResponderExcluir
  3. "Já havia desistido. Conformei-me com a ausência desse que, tão aclamado, não batia mais à minha porta".

    Belíssima a frase. Merece a eternidade por ela!
    Estou muito grato por ter lhe conhecido, e por acompanha-la nesta caminhada literária, esta realizando um lindo percurso.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Robson, você é um amor. Muito bom saber que você acompanha minha 'caminhadinha' literária.
    Obrigada, queridíssimo. ;)
    Nem preciso dizer o quanto acho seu trabalho literário hiper, mega espetacular.
    Grande beijo!

    ResponderExcluir